O aumento no número de católicos e o que isso quer dizer na prática

Entre os anos de 2009 e 2010 aumentou em 1,3% o número de pessoas católicas no mundo, de acordo com o Anuário Pontifício de 2012, estudo que detalha as estatísticas da Igreja Católica no mundo, divulgado hoje.

Podemos tirar algumas conclusões fáceis dos números divulgados. A primeira é a de que o número de fiéis católicos não diminuiu globalmente, como muitos querem crer. Mas esse aumento tampouco significa que o Catolicismo está se expandindo: a proporção dos católicos na população mundial permaneceu em 17,5%, pois ela também cresceu.

A proporção de católicos praticamente se manteve em todas as regiões do mundo: teve queda modesta na América do Sul (de 28,54% para 28,34%)  e na Europa (de 24,05% para 23,83%); e ganhos marginais na África (de 15,15% para 15,55%) e no sudeste asiático (10,47% para 10,87%). É importante notar aí que o número de católicos não reflete necessariamente a influência da Igreja Católica no mundo. Isso pode variar de região para região, de cultura para cultura. Além disso, muitas pessoas se dizem católicas e na verdade sequer vão à igreja nem rezam o “Pai Nosso”.

Por esse motivo vale destacar um outro número que dá uma visão melhor da coisa, que é o de sacerdotes. Desde o início da pesquisa, em 2000, houve um aumento quase que constante nesse número, apesar da suposta “crise das vocações”. Em 2010, eram 412,24 mil padres no mundo ante 410,59 mil em 2009. Essa elevação se deu principalmente entre os padres diocesanos, isto é, aqueles que são ligados diretamente às dioceses, e não a congregações religiosas (beneditinos, agostinianos, franciscanos, jesuítas, etc).

Está claro que há menos vocações do que uns 20 ou 30 anos atrás, embora não tenhamos o dado comparativo, mas a redução das vocações tem ocorrido principalmente no clero religioso, e não tanto no clero diocesano. A explicação aí pode ser a de que geralmente os padres diocesanos têm um pouco mais de independência e liberdade em relação aos padres religiosos, pois não fazem votos de pobreza, castidade e obediência – um estilo de vida talvez menos atrativo no mundo atual. Os padres diocesanos assumem  o compromisso do celibato, mas não fazem votos. Por outro lado, podem ter uma vida mais solitária do que a dos religiosos, que vivem em comunidade, e têm de organizar o próprio orçamento (por isso muitos são até mais pobres).

De qualquer forma, o mais curioso é ver a oscilação das vocações sacerdotais nos continentes. Na Ásia, houve aumento de 1,7 mil padres; na África, de 765 padres; na Oceania, de 52 padres; nas Américas, de 42 padres; já na Europa, em um ano houve queda de 905 no número de padres. Embora haja muito mais padres na Europa do que em outros lugares do mundo, fica evidente a tendência inversa àquela vista séculos atrás, quando os europeus saiam para catequizar o mundo. É cada vez mais provável que os outros continentes enviem mais e mais “missionários” para a Europa, onde o clero é envelhecido e há poucas novas vocações.

Vale notar, ainda, que houve um leve aumento no número de homens religiosos não ordenados (frades, monges ou irmãos leigos), de 54,23 mil para 54,67  mil, contrariando a tendência de queda vista em anos anteriores. As elevações mais significativas ocorreram na Ásia, de 4,1%, e na África, de 3,1%.

Já entre as religiosas, a “crise” de vocações é forte e vem se confirmando há alguns anos. De 2009 para 2010, passou-se de 729,4 mil mulheres para 721,9 mil. Essa queda foi maior na Europa (2,9%). E, de fato, conheço congregações que têm uma ou nenhuma aspirante à vida religiosa na Itália, berço da maioria delas. Também houve retração na Oceania (2,6%), além das Américas (1,6%). Porém, na África e na Ásia houve aumento de 2%. Outra vez, são os novos missionários.

A Igreja vê com preocupação a situação das vocações religiosas, mas ao mesmo tempo não sabe direito até que ponto isso é um problema, pois entende que, da mesma forma em que o mundo muda, muda a dinâmica das vocações. Além disso, a vocação é considerada um chamado de Deus ao qual a pessoa responde “sim”, de modo que interferir nisso não depende só da Igreja. Depende no que diz respeito a permitir que o vocacionado perceba esse chamado. Para isso, tem de ser mais eficiente no trabalho vocacional.

Entretanto, para compensar um pouco, há algumas décadas cresce a atuação dos leigos, sua presença em posições de liderança pastoral e nas missões. Isso ocorre inclusive em áreas antes exclusiva aos religiosos, como a saúde e a educação, por exemplo, o que fica claro diante do surgimento de cada vez mais novos grupos de pessoas que não atuam na Igreja por meio do sacerdócio ou da vida religiosa, mas como voluntários ou mesmo profissionalmente.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Igreja

5 Respostas para “O aumento no número de católicos e o que isso quer dizer na prática

  1. KleverOliv

    Não me preocupo muito com números, mas com qualidade, a pergunta é como está a qualidade dos fiéis Católicos diante dos desafios do mundo moderno?

  2. Olá KleverOliv! Desde o começo do pontificado, o Papa Bento XVI costuma dizer o mesmo. Diz que está mais preocupado com a qualidade do que a quantidade.

    • Agora ja e 2016 ne gente. Mas eu quero fazer uma pergunta de 2009 para 2012, aumentou ou diminuiu?Quanto?

      • Maria, o número de católicos sempre aumenta, mas de forma muito irregular no mundo. Segue a mesma tendência: aumenta especialmente na África e na Ásia, estabilidade na América e queda na Europa.

  3. Pingback: A queda do número de católicos no Brasil e a tal ‘nova evangelização’ | Praça de Sales

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s