Em bênção da Páscoa, Bento XVI compara Madalena a todos os cristãos

A 'Urbi et Orbi' ocorre todos os anos na Páscoa e no Natal

Em sua mensagem e bênção Urbi et Orbi (Para a Cidade – de Roma – e para  o Mundo) desta Páscoa de 2012, o Papa Bento XVI comparou a experiência de cada cristão com a de Maria Madalena, que viveu uma mudança de vida após encontrar o Cristo ressuscitado.

O pontífice também pediu paz no mundo, especialmente no Oriente Médio e na Terra Santa – com ênfase na Síria e no conflito entre palestinos e israelenses. Rezou pela população da África que vive momentos de atribulação e desejou “Feliz Páscoa” em 65 línguas diferentes. Abaixo alguns destaques nossos sobre a mensagem, que pode ser lida na íntegra aqui.

Segundo Bento XVI, foi difícil para Maria Madalena, Maria mãe de Jesus e os outros discípulos vê-lo flagelado e morto na cruz. “Com a morte de Jesus, parecia falir a esperança de quantos confiavam n’Ele. (…) Houve um momento em que Jesus aparecia derrotado: as trevas invadiram a terra, o silêncio de Deus era total, a esperança parecia reduzida a uma palavra vã”, afirmou.

Entretanto, há uma mudança radical neste clima quando o túmulo de Jesus é encontrado vazio, de acordo com  o Papa. “Depois Jesus manifesta-se a Madalena, às outras mulheres, aos discípulos. A fé renasce mais viva e mais forte do que nunca, e já invencível porque fundada sobre uma experiência decisiva.”

Deste modo, o bispo de Roma compara a vivência de Maria Madalena com a de todos os cristãos. “Se Jesus ressuscitou, então – e só então – aconteceu algo de verdadeiramente novo, que muda a condição do homem e do mundo. Então Ele, Jesus, é alguém em quem nos podemos absolutamente confiar”, declarou. “Cristo é esperança e conforto de modo particular para as comunidades cristãs que mais são provadas com discriminações e perseguições por causa da fé.”

Conflito na Síria é um dos mais violentos da atualidade

Nesse contexto, o Papa pediu a Deus que dê esperança ao Oriente Médio, “para que todas as componentes étnicas, culturais e religiosas daquela região colaborem para o bem comum e o respeito dos direitos humanos”.

Mais uma vez, Bento XVI destacou o sangrento conflito que atualmente ocorre na Síria, pedindo que o país adote “sem demora, o caminho do respeito, do diálogo e da reconciliação, como é vivo desejo também da comunidade internacional”. Também exortou os iraquianos a não poupar esforços para “avançar no caminho da estabilidade e do progresso”. E pediu a retomada “com coragem” do processo de paz entre Israel e Palestina.

O pontífice comentou brevemente o sofrimento das populações do Chifre da África, da Região dos Grandes Lagos, do Sudão e do Sudão do Sul, do Mali e da Nigéria, e pediu que Deus as conforte e “conceda-lhes esperança para enfrentarem as dificuldades”, tornando-as pacificadoras e “artífices do progresso das sociedades a que pertencem”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Igreja no Mundo, Vaticano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s