Arquivo do mês: abril 2013

Francisco nos surpreendeu por sua normalidade, diz jesuíta

Filipe Domingues, para FC Online

Image

Com a eleição do Papa Francisco, a Igreja e o mundo foram surpreendidos pela normalidade. Assim, em poucas palavras, definiu o padre jesuíta Sandro Barlone, diretor do Centro de Fé e Cultura “Alberto Hurtado” e professor de Espiritualidade da Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, em conferência realizada em 19 de abril. Pouco mais de um mês após o início do 266º pontificado da História, a universidade católica organizou um encontro para refletir sobre o perfil de Jorge Mario Bergoglio, antes arcebispo de Buenos Aires (Argentina), e fazer um breve balanço sobre as primeiras semanas de seu pontificado.

“O estilo normal do Papa Francisco representa a quebra de uma série de paradigmas”, declarou o padre Barlone, fazendo alusão a São Francisco de Assis, que com sua simplicidade e pobreza contribuiu para uma grande reforma histórica da Igreja, “então em decadência”.

Clique aqui para continuar lendo

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Igreja

‘Meu nome já está na lista de cardeais’

Filipe Domingues, Especial para o Estado, Vaticano – O Estado de S.Paulo
16 de março de 2013

lorenzo2323O primeiro cardeal nomeado pelo papa Francisco é o ex-núncio apostólico no Brasil e arcebispo italiano d. Lorenzo Baldisseri, conforme revelou ontem o portal estadao.com.br. A nomeação ocorreu ao fim do conclave, retomando uma antiga tradição católica.

O papa Paulo VI havia quebrado o costume de elevar imediatamente ao cardinalato o bispo que atuava como secretário do conclave e que tem como dever, por exemplo, queimar as cédulas após cada votação.

Imagens da primeira missa do papa Francisco mostram d. Lorenzo usando o chapéu vermelho de cardeal (solidéu) junto aos eleitores, o que, formalmente, fez com que a nomeação deixasse de ser sigilosa.

Ontem, cardeais presentes em Roma confirmaram ao Estado a indicação de Baldisseri, mas o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, declarou à imprensa que “ninguém foi tornado cardeal durante o conclave”.

Isso porque a nomeação deve ser oficializada em um consistório, cerimônia pública do papa na qual Baldisseri receberá o anel de cardeal, o barrete (outro tipo de chapéu vermelho) e o título de uma igreja em Roma. Ele mesmo esclareceu: “Meu nome já está na lista”.

Ele foi o embaixador da Santa Sé no Brasil entre 2002 e 2012. Confira, a seguir, a entrevista exclusiva de Baldisseri.

Foi uma surpresa ver na TV o senhor usando solidéu vermelho. Agora o senhor já é cardeal?

Ainda não, mas meu nome já está na lista do próximo consistório. Porque é necessária a realização de um consistório para oficializar o anúncio. Por enquanto, fico como estou, no mesmo cargo de secretário da Congregação para os Bispos e continuo usando a minha veste normal de arcebispo (preta e rosa fúcsia). Mas já estou na lista. Participei com todos os cardeais dos eventos do conclave, por causa do meu cargo de secretário do colégio cardinalício.

O que representa essa decisão do papa Francisco de nomeá-lo cardeal logo após a eleição?

É um gesto histórico, mas ao mesmo tempo muito novo para nós. O último a fazê-lo havia sido o papa João XXIII, há mais de 50 anos. Na época da eleição do papa Ratzinger, ele prometeu a nomeação ao secretário (do conclave), mas o gesto concreto de pôr o solidéu vermelho na cabeça dele não ocorreu. Agora, foi renovada a tradição.

Como foi esse momento?

O papa Francisco, após eleito, foi a uma sala para vestir o hábito branco. Tirou seu solidéu vermelho e o colocou em um prato. Um cerimoniário que o acompanhava saiu com o papa da sala com esse pratinho que tinha o solidéu vermelho em cima. Todos os cardeais fizeram fila para se ajoelhar e prestar obediência ao novo papa, como está previsto, e, ao final, eu também. Quando eu estava de joelhos, ele tomou o solidéu que estava no pratinho e colocou na minha cabeça. Alguns cardeais aplaudiram, outros não reagiram. Esse é o fato.

Como o senhor se sentiu?

Muito confuso e comovido. Ele me abraçou. Eu o agradeci por sua confiança.

O senhor conhecia bem o cardeal Jorge Mario Bergoglio?

Não muito, mas em 2007 ele foi ao Brasil para a conferência da América Latina, quando eu era núncio no País. Ele me conhecia por isso. Portanto, soube de todo o processo para realização do acordo entre Brasil e a Santa Sé e acompanhou meu livro sobre o assunto.

A decisão de ir à primeira missa de Francisco com o solidéu vermelho foi sua ou do papa?

Eu pedi ao santo padre para poder concelebrar a missa com os outros cardeais e ele me disse que sim. O solidéu que eu usei é exatamente o mesmo que ele me deu. Agora vou guardá-lo de lembrança.

Deixe um comentário

Arquivado em Igreja, Igreja no Mundo, Vaticano