Aprendendo a jogar: o novo estilo de Francisco e o Magistério da Igreja

Pe. Federico Lombardi

Quando o Vaticano volta atrás em alguma decisão, é sinal de que temos um bom motivo para refletir. Na última semana, a Santa Sé decidiu apagar de seu site (www.vatican.va) o texto da entrevista concedida pelo Papa Francisco ao jornalista italiano Eugenio Scalfari, publicada originalmente no diário La Repubblica, do qual Scalfari é fundador. Conforme explicou o porta-voz do Vaticano, Pe. Federico Lombardi, embora a entrevista corresponda ao pensamento do Papa de modo geral, a forma como foi redigida em certos pontos não é totalmente precisa e fiel àquela pronunciada pelo pontífice.

“Retirando-a (do site do Vaticano) fez-se um ajuste a respeito da natureza daquele texto. Havia certos equívocos e debates sobre o seu valor. A decisão foi da Secretaria de Estado”, justificou o Pe. Lombardi à imprensa. De fato, o jornalista Scalfari, de 89 anos, admitiu que não usou gravador durante o bate-papo que teve com Papa Francisco. Antes que venham as críticas ao seu método de trabalho, ele pediu permissão para publicá-la, alertando o pontífice: “Tenha em mente que eu não incluí algumas das coisas que você me disse. E que algumas das coisas que eu atribuo a você, você não disse.” Por meio do secretário pessoal do Papa, Monsenhor Alfred Xuereb, a entrevista foi aprovada assim mesmo.

Sobre o método jornalístico – É verdade que atualmente entrevistar uma pessoa por horas sem gravá-la é algo praticamente impensável para a maioria dos jornalistas, especialmente quando se trata de uma autoridade como o Papa. A gravação garante a fidelidade do texto ao que foi dito pelo entrevistado e, além disso, dá grande segurança ao jornalista: muitas vezes o entrevistado pode questionar algo que foi publicado dizendo posteriormente “Eu não afirmei isso”. Com a fita da gravação, o jornalista pode comprovar a veracidade do relato.

O jornalista Eugenio Scalfari

Porém, é comum entre jornalistas da “velha guarda”, como Scalfari, não gravar, não anotar nada enquanto se entrevista. É um método antigo, que funcionou e ainda funciona para muitos jornalistas. Esses profissionais estão mais atentos ao pensamento geral do entrevistado, ao contexto, à troca de ideias, e quase sempre creem que a formalização da entrevista com um gravador e um bloco de notas leva a uma prejudicial perda de espontaneidade da pessoa entrevistada.

O que realmente importa – Por isso, mais do que questionar os métodos de Scalfari, queremos nos concentrar na mudança de comportamento por parte da Igreja diante da entrevista. O texto foi reproduzido pelo jornal oficial L’Osservatore Romano e no site da Santa Sé. Mas o que quis dizer o Pe. Lombardi quando afirmou que, ao deletá-lo, houve um “ajuste a respeito da natureza” daquele texto? Essa é a grande questão sobre a qual devemos refletir.

A rigor, tudo o que um Papa diz e faz publicamente durante o exercício de seu pontificado é admitido como parte do ensinamento da Igreja, isto é, parte do chamado “Magistério da Igreja”, que é a função específica das autoridades eclesiásticas de interpretar o Evangelho e ensiná-lo às outras pessoas. Uma homilia, um pronunciamento, uma carta, qualquer tipo de manifestação pública do Papa, a rigor, seria Magistério.

Porém, existe uma certa hierarquia de importância até mesmo para esses pronunciamentos (uma carta encíclica de um Papa tem um peso absolutamente maior do que uma homilia pronunciada informalmente, por exemplo). Simplificando uma coisa complexa: a Igreja entende que o Magistério “ordinário”, aquele exercido no dia-a-dia pelos bispos, não é imune a erros – exceto se os bispos se reúnem, inclusive com o bispo de Roma (o Papa), para discernir de forma colegial sobre algum tema de fé e moral. Já o Magistério “extraordinário”, exercido por todos bispos em um concílio para discernir sobre alguma questão profunda de fé e moral, sobre dogmas, é entendido pela Igreja como infalível – pois o resultado da reunião é uma inspiração divina.

Portanto, a rigor, uma entrevista do Papa também poderia ser entendida como Magistério (ordinário, no caso). A publicação no site oficial do Vaticano seria a oficialização desse raciocínio. Seria, então, uma nova forma de ensinar “inventada” pelo Papa Francisco? Um simples bate-papo com um jornalista seria igualmente considerado parte do Magistério da Igreja? Qual é o valor pastoral de uma conversa privada desse tipo que foi tornada pública, redigida por um terceiro que se diz ateu e publicada por um jornal não católico?

Esse é o ponto. Retirando do site do Vaticano a entrevista do Papa a Scalfari a Igreja estabelece um limite. Não há um consenso de que um pronunciamento em uma entrevista desse tipo, ainda que público, seja Magistério. Aliás, a Igreja parece sinalizar que não é. Teria Francisco falado como Papa, pontífice máximo e sucessor do apóstolo Pedro, ou simplesmente como Jorge Mario Bergoglio? Até que ponto podemos separar Bergoglio e Francisco? Poderiam seus pensamentos explicitados naquela entrevista ser questionados pelos outros católicos ou não?

A “desoficialização” da entrevista mostra que, além das imprecisões no texto, naquele momento Francisco era mais Bergoglio que Papa. Isso não invalida o valor do que foi dito, mas, enfim, esclarece qual é a “natureza” daquele texto.

Para ficar ainda mais claro esse ponto: vale lembrar que quando Bento XVI publicou a série de livros sobre a vida de Jesus Cristo deixou claro que não eram documentos do Magistério, mas sim uma visão pessoal, um entre tantos modos de interpretar a vida e o valor da mensagem de Jesus para a humanidade. Ali quem fala é o teólogo Joseph Ratzinger, e não o Papa Bento XVI.

Com um Papa tão midiático quanto Francisco, cujas mensagens estão chegando aos confins da Terra – ele é a pessoa de quem mais se fala na internet -, as regras do jogo mudaram. Francisco é um Papa que dá entrevistas com certa frequência, faz homilias diárias de forma espontânea e telefona pessoalmente para as pessoas.

Assim, a Igreja está buscando entender quais são as regras do novo jogo. Está aprendendo a usar positivamente a mídia para transmitir as mensagens de amor apresentadas pelo Papa, mas sem esfarelar o conceito de “Magistério da Igreja”. Para isso, a Igreja está aprendendo a voltar atrás, quando necessário. Aprendendo a jogar.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Igreja, Igreja no Mundo, Vaticano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s